Organização Mundial de Saúde (OMS) afirma que animais de estimação podem pegar o coronavírus, mas não na mesma configuração humana.

Animais de estimação de donos contaminados pelo COVID-19

O coronavírus (COVID-19) já se espalhou por quase todos os países da Europa e já há casos confirmados Brasil afora. Uma pergunta que muito se tem feito nas redes sociais é: animais de estimação também podem pegar a doença? A Organização Mundial de Saúde atualizou suas declarações e agora afirma que os pets podem contrair o vírus, mas em configurações caninas e felinas. Ainda, também já é sabido que eles não podem transmitir o vírus para humanos.

“A coronavirose é uma doença comum em cães e gatos. Nos cães, a forma mais registrada é a gastroentérica, transmitida por meio do contato com fezes contaminadas. Ela causa sintomas muito semelhantes ao da parvovirose, como vômito e diarreia com perda de sangue. O vírus destrói as vilosidades do intestino do animal e provoca gastroenterite hemorrágica”, explica a médica veterinária Karla Bruning de Oliveira.

No fim de fevereiro, um cachorro testou positivo para o novo vírus em Hong Kong. No entanto, segundo especialistas, é provável que ele já estivesse com o vírus dentro de si e só então ele se manifestou. Ainda, afirmavam que só seria provável que o vírus chegasse a animais de estimação caso ele sofresse uma mutação proteica.

China

Na China, os donos de cães e gatos haviam comprado máscaras para seus pets para protegê-los do vírus no início de março. Um vendedor de máscaras específicas para cães disse ao jornal inglês Daily Mail estar vendendo 10 vezes mais máscaras . A transmissão para os animais de estimação, porém, gera controvérsias. A epidemiologista Li Lanjuan, conselheira técnica da Comissão Nacional de Saúde da China, afirmou que o coronavírus pode ser transmitido aos animais domésticos como cães e gatos, mas a Organização Mundial da Saúde (OMS) informou que não há nenhuma evidência de que cachorros e gatos possam ser infectados pelo vírus.